A procissão dos vivos e dos mortos

Mariana,
16 de Abril de 2012

Há mais de vinte anos, os vivos na meia noite da sexta-feira Santa vestem-se como mortos para assombrar Mariana. Uma composição mística e teatral: bumbos e matracas evocam os sussurros daqueles que passam pelo caminho. Todos paramentados como almas, de túnicas brancas e velas e ossos às mãos. Esse ano não foi diferente. Tendo como início e fim a Igreja da Arquiconfraria, na Rua Dom Silvério, a Procissão das Almas cumpriu seu traslado.

Quem organiza esse espetáculo de medo, beleza e tradição são os componentes do Movimento Renovador e da Academia Infanto-juvenil de Letras. Dentre outras coisas, esses agentes se preocupam com o resgate cultural no município. A animadora cultural, Hebe Rôla, que participa desde que a procissão começou, conta que a “encenação é fruto de uma de uma pesquisa dinâmica”.

Até ano passado, duas lendas eram retratadas. A primeira é a procissão do miserere, escrita por Waldemar de Moura Santos, no livro Lendas Marianenses, e a outra a do balaio de penas, do Distrito de Padre Viegas, recolhida por Hebe Rôla. Este ano, mais um relato foi adicionado à encenação. Segundo a animadora cultural, Antônio Norberto, já falecido, “quando acabava a procissão dos mortos, saía e tocava ‘um lamento’ em todos os cemitérios de Mariana”. Durante o trajeto, a canção foi executada pela banda União XV de Novembro, da qual ele era membro.

Outro participante, mas que está entre os vivos, o médico Rodrigo Miranda, participa a dezessete anos da procissão. De acordo com o veterano, é necessário que se participe sete anos seguidos, após a primeira vez, se não da próxima vez participará “como assombração”. “Eu interrompo antes desse ciclo e nem por isso acompanho como assombração”, brinca.

Entretanto, nem tudo que ronda essa lenda é brincadeira. Para Dalva Pinheiro, de 76 anos, ex-moradora da “Rua de Cima”, no Distrito de Furquim, a história é factual. Segundo os relatos de Waldemar de Moura, a lenda na qual se baseia a procissão fala de uma mulher maledicente, que estava sempre na janela a espionar e falar mal da vida alheia. Nisso, ela, que ficava ali até altas horas, acabou sendo surpreendida pela procissão horrenda. Já segundo Dalva, a “senhora não era fofoqueira”. Ela ficava na janela porque tinha muita “falta de ar”. Na época que ouviu a história, Dalva tinha oito anos. “Quem conversava muito com ela (a mulher da procissão) eram meus pais, naquela época gente velha não conversava com criança não”, explica.

Comments powered by Disqus

Newsletter

Acompanhe-nos

Encontre-nos no Facebook